Entenda como preparar os gestores da área pública para realizar a avaliação de pessoas

Entenda como preparar os gestores da área pública para realizar a avaliação de pessoas

A avaliação de pessoas na esfera pública é um tema de extrema relevância no momento, principalmente pelo impacto que ele tem para os serviços prestados. Hoje, busca-se tanto no setor privado quanto no público uma qualidade maior nas instituições.

Isso se dá por um aumento da consciência de cidadania, que envolve direitos e deveres individuais e coletivos. Logo, cabe às gestões públicas um rigos maior no que diz respeito ao desempenho de pessoas e ao desenvolvimento desses profissionais em suas carreiras.

É preciso criar um olhar mais crítico para a gestão, no sentido de ir além das obrigações e deveres, buscando a superação de problemas e limites na atuação. Veja a seguir como preparar os gestores da área pública para realizar a avaliação de pessoas!

A avaliação de pessoas no setor público

O administrador da iniciativa privada faz aquilo que a lei não proíbe, enquanto o administrador público executa o que a lei determina. Pode parecer um detalhe, mas é uma diferença que muda toda a dinâmica organizacional das instituições. Podemos dizer assim que o agente público acaba tendo menor flexibilidade no seu trabalho, bem como capacidade de progredir.

Ao ingressar no serviço público, na maioria dos casos, o agente público só tem contato com o seu trabalho e não é orientado quanto à existência de uma Avaliação de Desempenho, desconhecendo o método de avaliação pelo qual será submetido. Dessa forma, a avaliação nem sempre é feita considerando seu real objetivo.

A Avaliação de Desempenho na Administração Pública tem como objetivo a efetivação do agente público no cargo em que está sendo avaliado. No entanto, é preciso uma orientação aos participantes dessa avaliação (avaliador e avaliado) para que esta seja feita corretamente. Sabe-se que vários fatores interferem na avaliação, tais como aspectos subjetivos e a metodologia utilizada.

Uma avaliação de desempenho eficaz é a que possibilita ao agente público evidenciar suas características que foram destaque naquele período e também aquelas que precisam ser desenvolvidas e aprimoradas. Assim, o instrumento de avaliação melhora o desempenho do agente público, o qual executa de maneira mais eficaz suas atividades, cujo reflexo é revertido na prestação de serviço para a sociedade.

Como preparar os gestores da área pública para realizar a avaliação de pessoas?

Quando falamos em setor público, temos que ter a noção da variedade de serviços prestados assim como das características singulares de cada instituição. Por isso, para demonstrar como a gestão deve se preparar para implementar esse tipo de política que engloba a avaliação de pessoas, é preciso ressaltar que cada organização pode adotar um método que lhe demonstre maior eficácia pro objetivo desejado.

Podem participar da realização da avaliação de desempenho:

  • o gerente da equipe;

  • o subordinado;

  • o órgão de RH; ou

  • a comissão de avaliação.

Portanto, independentemente do modelo utilizado, a avaliação de desempenho pode sofrer as interferências inerentes a essa diversidade de participantes no processo. Vale ressaltar que essa observação está ligada a alguns tipos de avaliação e não ao instrumento avaliativo em si. Veja abaixo os fatores que interferem na avaliação para compreender o porquê dessa observação!

  1. Definição inadequada de objetivos da Avaliação.

  2. Realização do processo apenas para o cumprimento das exigências do processo estabelecido.

  3. Despreparo para gerenciar pessoas ou a falta de técnica —  ex.: quando os gerentes são muito especialistas e não possuem maior qualificação para tratar de assuntos de gestão de pessoas.

  4. Desconhecimento do avaliador quanto aos objetivos da Avaliação de Desempenho e dá julgamentos segundo o seu bom senso.

Diante disso e, agora, retornando à pergunta desse tópico sobre como se preparar para esse tipo de gestão, o que é recomendado? Que seja feito um treinamento específico para os avaliadores na implementação de um programa de Avaliação de Desempenho, o qual não se limita apenas ao preenchimento de formulários, mas que trabalhe: o esclarecimento, a sensibilização e a colaboração dos avaliadores.

Não menos importante, outro aspecto que também influencia na qualidade da avaliação é a criação de prazos para a entrega de formulários, induzindo o avaliador a observar apenas os tempos mais recentes. Isso reflete em um erro que pode ser chamado de “efeito de recentilidade”, que consiste em uma incapacidade de avaliar o período como um todo. 

Que situações são mais comuns envolvidas com esse processo no setor público?

É inegável que existe uma possibilidade de ocorrer a baixa participação das chefias, o que também reduz o impacto da avaliação. Alguns gerentes demonstram baixo comprometimento com a Avaliação de Desempenho, limitando-se apenas ao preenchimento dos formulários, o que reforça a necessidade de sensibilização quanto aos benefícios trazidos pelo programa.

Mesmo assim, existem diversos métodos de Avaliação de Desempenho que as organizações públicas utilizam para tentar diminuir as interferências no processo.  Escolher um método eficiente é a melhor maneira que o avaliador encontra para chegar aos objetivos que a Avaliação de Desempenho se propôs, e a escolha deve estar pautada em preocupar-se com o comportamento das pessoas e não com a pessoa em si.

Dada a natureza burocrática do setor público, há ainda a possibilidade de a Avaliação de Desempenho carregar também esse caráter burocrático. Essa é outra situação que pode de fato interferir na ferramenta. Portanto, para superar esse caráter, é preciso de um olhar mais cuidadoso por parte da Instituição, avaliadores e avaliados, a fim de que sua realização não se limite ao simples preenchimento dos formulários e distribuição das notas.

Mas deve-se, antes de tudo, observar o seu bom cumprimento, como ferramenta que agregue valor profissional ao agente público, à chefia e à Instituição, convertendo esse valor em benefícios à comunidade a qual o órgão presta serviço. Sabendo que todo agente público tem a sua atuação regida por rotinas e regras, diretrizes voltadas ao estabelecimento de hierarquias de poder e burocratização nas ações, compreende-se o desafio que as organizações públicas têm pela frente.

Logicamente, isso não deve ser motivo para abrir mão da qualidade de serviços para a sociedade e para o servidor. Ao contrário disso, trata-se de mais uma justificativa para a urgência de se trabalhar com a Avaliação de Pessoas no setor público, lançando às organizações a tarefa de como preparar os gestores da área pública para realizar a avaliação de pessoas.

Agora que você já entendeu mais sobre esse assunto tão importante, entre em contato conosco e saiba como podemos ajudá-lo!

Sem comentários

Cancelar